Nêga Filmes e Produções
23/07/2016
0

Sabem aqueles mil e um convites no facebook para gostarem de páginas de pessoas conhecidas, pessoas ligeiramente amigas ou entãos pessoas do peito que acham que vamos gostar muito de uma coisa mas como são tantos os pedidos e solicitações que já de forma relutante vamos lá fazer click, para ver o que é. No caso deste coletivo cultural, ainda bem que fizemos click, vimos, lemos e relemos.

A Nêga Filmes e Produções promoveu de dia 19 a 23 de Julho a 1ª Mostra Internacional de Cinema na Cova: África e suas Diásporas. que ainda decorre na Cova da Moura, no âmbito do festival Kova M.

13580486_668399679974762_5630119892397872077_o

A programação descrita pela organização:

Na programação, teremos a exibição de 14 filmes, entre curtas, médias e longas metragens, produzidos a partir de 2011, em países de cultura negra. Venha conhecer um pouco mais sobre Brasil, Cabo Verde, Portugal, Angola, Guiné-Bissau, Trinidade e Tobago e Moçambique!!!!A intenção deste evento é apresentar uma pequena amostra, em clima de festival de bairro, do que está sendo realizado por cineastas negras e negros da contemporaneidade. Além de propiciar um espaço, no final de cada sessão, para uma conversa informal sobre as obras, com artistas que participam dos filmes que serão assistidos. Para encerrar o grande encontro entre África, Europa e América, haverá uma sessão especial, no dia 23 de julho, com o filme do premiado realizador guineense Flora Gomes.

 

Nós fomos ao festival no dia de estreia (19 de Julho). Chegando não sabíamos onde ficava a Tabacaria Tropical, que apoia a Mostra e onde o primeiro dia aconteceu. Cumprindo o ditado, Quem tem boca vai a Roma, conseguimos encontrar o nosso destino. Depois de nos receberem com abraços e conversas sobre negritude, política, cervejas, gargalhadas e partilhas sobre o que acontece no espaço que é, uma tabacaria, mas também o espaço que acolhe a marca de roupa orgânica Bazofo, que é feita na Cova da Moura de forma ética e sustentável (a entrevista ao criador em breve aqui no site) e que serve cachupa (prato típico de Cabo Verde) muitas noites da semana (nesse dia foi o nosso jantar e pudémos matar saudades deste prato). Passámos à mostra de filmes.

As várias histórias que retratavam várias realidades centraram-se numa narrativa poderosa sobre a mulher negra em vários vários contextos.

A mulher que vai contra os pudores de uma sociedade conservadora em relação à sexualidade e o corpo da mulher em “Relatos de uma rapariga nada púdica”; A mulher que para além da sua vida, organiza também a vida do marido em “Cinzas”; “As meninas do RAP” que conquistam o seu espaço num mundo marcado pelo machismo e sexismo do RAP/HipHop. A mulher que cuida dos outros toda a vida e no seu aniversário recebe de presente a companhia de uma estranha que, nesse dia lhe bate à porta em “o dia de Jerusa” e por fim, em “Empoderadas” conhecemos Mc Sofia que nos fala da sua música e letras e de como o orgulho no seu cabelo crespo e a sua pele negra a inspiram no seu contributo enquanto Mc.

A conversa final foi pautada de um grande à vontade e de uma partilha de experiências e opiniões que raramente encontramos em espaços de Mostras, colóquios ou conferências. De repente parecia que podiamos partilhar receios, medos, com aquele grupo de pessoas que não conheciamos e que não nos conheciam.

O convite para estar, iguais a quem somos, a abertura para falar de sexualidade, papéis de género e identidades de género, aproximaram-nos de uma conclusão que levaram muitas das pessoas presentes às lágrimas em que a sororidade permite também a liberdade de expressão e o amor pode ser uma forma de encontrar família onde a família de origem nos falta e também como exemplo de que nos juntando podemos ser mais fortes, fazer coisas acontecer e quem sabe até mudar o mundo.

13669759_1220436004655706_7384005348260974523_n
Parte da equipa no programa Bem-Vindos da RTP África

Mostra Internacional de Cinema na Cova: África e suas Diásporas. acaba no dia 23 de Julho mas promete uma segunda edição para o próximo ano.

Para ler também o artigo sobre a Mosta no Público, “A maior tela do cinema africano é na Cova da Moura”

A Mostra Internacional de Cinema na Cova decorre também com o apoio do MOINHO  – Associação Cultural Moinho da Juventude e da FICINE – Fórum Itinerante de Cinema Negro.

Alexa Santos

Alexa Santos

Depois de anos sem encontrar um espaço que pudesse chamar seu, Alexa criou o queeringstyle. No início uma página de Tumblr, hoje um espaço para pessoas que queiram falar, estar, partilhar. Não sabe muitas vezes parar porque, tudo o que faz vem do centro do peito. Gosta de fazer muitas coisas ao mesmo tempo, por isso é possível que se encontrem algures. Se sim, não deixes de dizer olá.
Alexa Santos

Artigos recentes por Alexa Santos (ver todos)